Philippe Grandrieux

Biografia

<span style="font-size: 10pt; line-height: 115%; font-family: 'trebuchet ms';">O cineasta francês Philippe Grandrieux transita em diferentes territórios, e sua obra reúne trabalhos em diversas linguagens: videoarte, longas de ficção, instalações de arte, ensaios documentais. No INDIE 2009, serão exibidos pela primeira vez sua filmografia de ficção e o documentário “Retorno a Sarajevo”, de 1996. </span><span style="font-size: 10pt; line-height: 115%; font-family: 'trebuchet ms';">Nascido em 1954, na França, seus primeiros longas-metragens de ficção, “Sombra” (premiado no Festival de Locarno, em 1998) e “A Nova Vida” são referências em termos de fotografia, de trabalho sonoro, de experimentação narrativa e figurativa. Grandrieux participou de importantes exposições, como na “Paradise Now! Essential French Avant-Garde Cinema 1890-2008”, na Tate Modern de Londres, e na retrospectiva “Extreme Love” no espaço Uplink, em Tóquio. Seu longa, “Um Lago” integrou a 65ª Mostra de Cinema de Veneza, em 2008. </span>




Participação nos filmes

A Nova Vida

A Nova Vida

La Vie nouvelle (França 2002). De Philippe Grandrieux. Em cores/102’.

Sinopse

Sinopse

Fragmentos de histórias, envolvendo prostituição, traição e obsessão, transparecem na beleza incandescente desse filme. Como objeto estético, “La Vie Nouvelle” é uma declaração ousada e radical sobre o próprio cinema: sua função, seu uso, suas possibilidades. Rejeitado pelos críticos à época do seu lançamento, o longa tem sido frequentemente defendido como um dos filmes franceses mais importantes da atualidade. Cada quadro lancinante arrebata e aterroriza em igual medida. O clímax é filmado com uma câmera sensível ao infravermelho. O filme investiga todas as maneiras pelas quais deixamos de compreender o mundo: o sono, sonhos, fantasia, transe, delírio e a confusão geral de corpos e percepções.
  • Apesar da noite
  • Apesar da noite

Apesar da noite

Malgré la nuit (Canadá, França 2016). De Philippe Grandrieux. Em cores/150’.

Sinopse

Sinopse

Lenz deixa a Inglaterra e retorna a Paris em busca de Madeleine, que desapareceu em circunstâncias incertas. Ele conhece Hélène, uma enfermeira em luto com a perda de seu filho. Assim começa uma história de amor febril em um cenário de tristeza, paixão, sexo, sadomasoquismo e autodestruição. Uma exploração sensual do lado obscuro do amor, um retrato íntimo do ciúme e do arrependimento.
  • É Possível que a Beleza Tenha Fortalecido nossa Determinação - Masao Adachi
  • É Possível que a Beleza Tenha Fortalecido nossa Determinação - Masao Adachi

É Possível que a Beleza Tenha Fortalecido nossa Determinação - Masao Adachi

Il Se Peut Que La Beauté Ait Renforcé Notre Résolution - Masao Adachi (França 2011). De William Lorton, Philippe Grandrieux. Em cores/74’.

Sinopse

Sinopse


De um lado para outro entre a política e o cinema, entre o trotskismo e o surrealismo, entre a luta armada e os cenários, entre a Palestina, o Líbano e o Japão, entre os dias de anteontem e de hoje, entre a beleza e a resolução, entre a arte de comer e de ser pai, está a vida perigosa e decidida de Masao Adachi, o senhor de cabelos brancos que vemos a se balançar.

Retorno a Sarajevo

Retour à Sarajevo (França 1996). De Philippe Grandrieux. Em cores/73’.

Sinopse

Sinopse

O primeiro filme de Grandrieux para o cinema (após projetos de TV e vídeo), foi filmado uma semana depois do Acordo de Paz de Dayton, em 1995. Captura o retorno a Sarajevo através do olhar de Sadija Sada Rarecevic e sua família. Embora seja um documentário, a sensibilidade estética particular dos trabalhos ficcionais posteriores de Grandrieux já aparece aqui no trabalho da câmera e de som. Uma visão fascinante da paisagem pós-guerra da Bósnia e o início de um dos cineastas mais originais da França.
Sombra

Sombra

Sombre (França 1998). De Philippe Grandrieux. Em cores/112’.

Sinopse

Sinopse

Jean é um homem bruto que viaja pela França no seu automóvel, levando marionetes e uma fantasia de lobo como única bagagem. Jean é perseguido por suas lembranças da infância. Mal consegue se comunicar e é um tipo de "bloco de pedra". Num dia de chuva forte, ele encontra Claire, que havia acabado de sofrer um acidente de carro. Ele a coloca no seu carro e se forma um vínculo entre eles. Ela talvez reconheça nele, na sua falta de jeito e grosseria, a mesma coisa que também a força, sombriamente, às fronteiras do coração. Grandrieux conscientemente enreda os espectadores nessa história de serial killer, através da plateia de crianças de Jean: olhos impossivelmente abertos em terror extático.
  • Um lago
  • Um lago
  • Um lago

Um lago

Un Lac (França 2009). De Philippe Grandrieux. Com Alexei Solonchev , Dimitry Kubasov, Natalie Rehorova. Em cores/90’.

Sinopse

Sinopse


A história se passa em um país do qual nada sabemos: um país de neve e florestas densas em algum lugar ao norte. Uma família mora numa casa isolada, perto do lago. Alexi, o irmão, é um jovem de coração puro. Um lenhador. Extático, preso pelos ataques epilépticos, ele está completamente aberto à natureza que o cerca. Alexi é muito ligado à sua irmã mais nova, Hege. Sua mãe cega, seu pai e seu pequeno irmão mais novo são testemunhas silenciosas do seu imenso amor. Chega um estrangeiro, um jovem um pouco mais velho do que Alexi…


* Menção Honrosa - Mostra Orizzonti do Festival de Veneza 2008.