Marina Foïs

Marina Foïs

(1970)

Biografia

Marina Foïs começou sua carreira de atriz no teatro, inicialmente sozinha, e depois com a trupe humorística "The Royal Imperial Green Rabbit Company". Rebatizada de "Les Robins des Bois", ela foi descoberta em 1996 por Dominique Farrugia e não tardou a tornar-se uma referência na nova cena cômica francesa. <br> <br>Marina foi vista pela primeira vez nas telas de cinema em 1994 em “Capacete azul” de Gérard Jugnot, depois continuou a desempenhar pequenos papéis nas comédias “Serial lover” (1998) e “Tráfico de influência” (1999). Em 2001, aproveitou o sucesso dos "Robins des Bois" para aumentar o número de suas experiências no cinema, sempre no gênero cômico: assim, encarnou a organizadora de um grande golpe no “La Tour Montparnasse infernale”, a bela Sucettalanis em “Asterix e Obelix: Missão Cleópatra” (2002) ou ainda uma linda babá em “Esporte de ataque” (id.). <br> <br>Em 2003, atuou duas vezes sob a batuta de Claude Duty : “Jovens Perdidas, Cabelos Sujos”, onde partilhou o estrelato com Amira Casar e Olivia Bonamy, e “A Pousada”, onde o personagem que ela vive se adapta com dificuldade à vida rural. Após ter reencontrado a alegre trupe dos Robins des Bois para a comédia pré-histórica “RRRrrrr !!! - Na idade da pedra” (2004), a efervescente atriz continua brilhantemente sua carreira solo atuando em “Un petit jeu sans conséquence” (id.) sob a direção de Bernard Rapp e em “Un ticket pour l'espace” (2006) de Kad & O. Irresistível frente a Julien Boisselier no “Me diz se sou bonita?” (2005), Marina Foïs representou um papel que não parecia ser feito para ela, o de uma mãe de família desesperada no filme bastante noir “Darling” de Christine Carrière. <br> <br>O ano seguinte ofereceu-lhe a possibilidade de afirmar sua escolha de projetos audaciosos, quando partilhou o estrelato com Sandrine Bonnaire na adaptação de um romance de Flaubert, “Un cœur simple”. Continuou trilhando esse caminho em 2009, participando da reflexão sobre a liberdade proposta por Christophe Honoré, em “Não, Minha Filha, Você Não Irá Dançar”, ao lado de uma referência na mesma geração, Chiara Mastroianni. Essa nova faceta de sua profissão lhe coube muito bem, e ela obteve assim o papel principal em “Happy Few” (2010) em que o jovem diretor Antony Cordier que se destacou com o demoníaco “À Flor da Pele” em 2005, permite-lhe receber as honras de uma seleção em Veneza na Competição Oficial.




Participação nos filmes

  • 22 Balas
  • 22 Balas
  • 22 Balas
  • 22 Balas
  • 22 Balas

22 Balas

L'Immortel (França 2010). De Richard Berry. Com Jean Reno, Richard Berry, Jean-Pierre Darroussin, Kad Merad, Marina Foïs, Moussa Maaskri. Em cores/115’.

Sinopse

Sinopse


Depois de anos vivendo fora da lei , Charly Mattei resolveu nos últimos três anos se dedicar à familia e viver harmoniosamente com sua esposa e seus dois filhos pequenos. No entanto, em uma manhã de inverno, ele é encontrado em um estacionamento com 22 balas no corpo. Apesar de muitos acreditarem que ele havia morrido, Charly misteriosamente sobrevive. Agora ele sai à caça de Tony Zacchia, o único homem que se atreveria a tentar matá-lo... Zacchia cometeu apenas um erro: ele falhou.

  • 3 X Manon
  • 3 X Manon
  • 3 X Manon

3 X Manon

(França 2014). De Jean-Xavier de Lestrade. Com Marina Foïs. Em cores/52’.

Sinopse

Sinopse

À boire

À boire

(França 2004). De Marion Vernoux. Com Emmanuelle Béart, Edouard Baer, Marina Foïs. Em cores/90’.

Sinopse

Sinopse

Três personagens se encontram no dia 29 de dezembro numa estação de esqui muito chique. Inès Larue bem que aceitaria uma bebida, pois o namorado acaba de abandoná-la, deixando-lhe a conta do hotel de 12.000 euros. Pierre-Marie Archambault, médico alcoólatra em tratamento contra o vício está uma pilha de nervos e também adoraria um drink. Finalmente, Seb Abd Al Abbas quebrou o braço no primeiro dia de esqui, estragando as férias. Já que não têm compromisso com ninguém e que estão tão gelados quanto a neve lá fora, estes três estropiados irão tomar um bom cocktail para melhorar o astral: álcool, amor e ajuda mútua...
  • A trama
  • A trama
  • A trama

A trama

L'atelier (França 2017). De Laurent Cantet. Com Marina Foïs. Em cores/113’.

Sinopse

Sinopse

Antoine aceita um convite para participar de um grupo de escrita, em que alguns jovens têm a tarefa de escrever um romance policial com a ajuda de Olivia, uma famosa romancista. Durante o processo, o texto vai acabar revisitando assuntos antigos da cidade, fazendo com que Antoine perca o interesse e criando uma complicada inimizade com o grupo.
  • Astérix e Obélix: Missão Cleópatra
  • Astérix e Obélix: Missão Cleópatra
  • Astérix e Obélix: Missão Cleópatra
  • Astérix e Obélix: Missão Cleópatra
  • Astérix e Obélix: Missão Cleópatra

Astérix e Obélix: Missão Cleópatra

Astérix et Obélix: Mission Cléopâtre (França 2001). De Alain Chabat. Com Alain Chabat, Christian Clavier, Claude Rich, Edouard Baer, Gérard Darmon, Gérard Depardieu, Isabelle Nanty, Jamel Debbouze, Jean-Pierre Bacri, Marina Foïs, Monica Bellucci. Em cores/107’. Classificação etária Livre.

Sinopse

Sinopse


Cleópatra, a rainha do Egito, decide construir em três meses um palácio suntuoso em pleno deserto para desafiar o imperador romano Júlio César. Se ela conseguir, isso deverá outorgar publicamente que o povo egípcio é o maior entre todos os povos. Para tal, Cleópatra apela para Numerobis, um arquiteto moderno para a época, cheio de energia. Se ele conseguir, ela o cobrirá de ouro. Se ele fracassar, ela o lançará aos crocodilos. Este, consciente do desafio que o espera, procura ajuda junto ao seu velho amigo Panoramix. O druida viaja ao Egito acompanhado de Asterix e Obelix. Ao seu lado, Amonbofis, o arquiteto oficial de Cleópatra , ciumento com o fato da rainha ter escolhido Numerobis para construir o palácio, vai fazer de tudo para que o seu concorrente fracasse.
"Chabat teve a possibilidade de ousar tudo nesta saborosa combinação de grande espetáculo faraônico e de piadas vivas e rápidas herdadas da telinha" -Télérama.

Bienvenue au Gite

(França 2002). De Claude Duty. Com Julie Depardieu, Marina Foïs, Philippe Harel. Em cores/102’. Classificação etária 14 anos.

Sinopse

Sinopse

Caroline e Bertrand, um casal estressado com a vida urbana, resolvem deixar tudo e trabalhar no albergue de sua amiga Sophie, na Provença. Começa uma nova vida: sol, cigarras, oliveiras, clientes e as pessoas do vilarejo. Eles descobrem a alegria de ter virado uma página, mas não terá sido tudo muito rápido?
  • Bodybuilder
  • Bodybuilder
  • Bodybuilder

Bodybuilder

(França 2014). De Roschdy Zem. Com Marina Foïs, Vincent Rottiers, Yolin François Gauvin. Em cores/100’. Classificação etária Livre.

Sinopse

Sinopse

Antoine Morel costumava morar com a sua mãe e o seu irmão mais velho, mas por causa de seus crimes e suas associações com pequenas gangues criminosas, é obrigado a se mudar para a casa de seu pai, Vincent Morel, um bodybuilder e homem com quem Antoine não tem contato algum há muitos anos.

Dois em Um

La Personne aux deux personnes (França 2008). De Bruno Lavaine, Nicolas Charlet. Com Daniel Auteuil, Marina Foïs. Em cores/90’.

Sinopse

Sinopse

Nesta comédia um ex-cantor de sucesso se envolve em um acidente de carro com um funcionário público solitário e anti-social. Após o ocorrido, a vida do primeiro se torna um inferno, pois a sua mente passa a ter interferências do outro, fazendo com que o seu comportamento tenha estranhas manifestações.
Filles perdues, cheveux gras

Filles perdues, cheveux gras

(França 2002). De Claude Duty. Com Amira Casar, Charles Berling, Marina Foïs, Olivia Bonamy, Sergi Lopez. Em cores/95’.

Sinopse

Sinopse

Caminhos cruzados de três jovens perdidas na vida: Elodie quer encontrar sua filha, Natacha seu gato e Marianne sua alma. Elas finalmente acham a amizade e o amor, mas no percurso deparam com um sedutor maldoso, um etnólogo hospitaleiro, um terapeuta musculoso, um guerreiro massai, um aborígene, incas, mulheres-girafas e outros animais... Premiações: Cannes 2002: Semana internacional da Crítica, em competição. Prêmio Rail d'Or dos Cheminots Cinéphiles (ferroviários cinéfilos).
  • Irrepreensível
  • Irrepreensível
  • Irrepreensível

Irrepreensível

Irréprochable (França 2015). De Sébastien Marnier. Com Benjamin Biolay, Joséphine Japy, Marina Foïs. Em cores/103’. Classificação etária 12 Anos.

Sinopse

Sinopse

Desde que foi demitida, a situação financeira de Constance é insustentável. Quando ela descobre que a agência imobiliária onde ela começou está contratando, Constance não hesita em deixar tudo. Persuadida a recuperar seu emprego, sai de Paris e volta para sua cidade natal. Mas é Audrey, uma jovem de 20 anos, quem fica com o emprego em seu lugar. O mundo está desmoronando para Constance. A partir deste momento, ela terá apenas uma obsessão: aniquilar Audrey e recuperar seu emprego.