Jean-Pierre Améris

(1961)

Biografia

Nasceu em 1961, na França. Graduou-se no Institut des Hautes Études Cinématographiques, em Paris, durante os anos 1980. Com seu segundo filme, Les aveux de l'innocent, ganhou o Prêmio da Juventude no Festival de Cannes, em 1996. Dirigiu ainda Más Companhias (1999) e C'est la vie (2001), vencedor do prêmio de melhor diretor no Festival de San Sebastián.




Participação nos filmes

C'est la Vie

Os Ultimos dias da minha Vida (França 2001). De Jean-Pierre Améris. Com Jacques Dutronc. Em cores/113’.

Sinopse

Sinopse

Dimitri (Jacques Dutronc), um imigrante russo, sofre de uma grave doença. Sem esperanças, ele é internado em um abrigo francês. Consciente de que não lhe resta muito tempo de vida, Dimitri se rebela contra todas as regras do local para aproveitar intensamente cada minuto. Ele consegue fugir para o campo e conhece Suzanne (Sandrine Bonnaire), que trabalha como voluntária em outro abrigo. Agora, Dimitri torce para que consiga viver esse romance inesperado.
  • Eu me Chamo Elisabeth
  • Eu me Chamo Elisabeth
  • Eu me Chamo Elisabeth
  • Eu me Chamo Elisabeth
  • Eu me Chamo Elisabeth

Eu me Chamo Elisabeth

Je m'apelle Elisabeth (França 2006). De Jean-Pierre Améris. Com Stéphane Freiss. Em cores/90’. Classificação etária 14 anos.

Sinopse

Sinopse


Elizabeth tem dez anos e vive no interior da França com seus pais, em fase de separação, e uma empregada que quase não fala. Ela se sente solitária, com medo do escuro e de fantasmas. Quando um jovem desconhecido, fugitivo de uma clínica, aparece em seu quintal, ela o esconde numa cabana nos fundos da casa, passando a protegê-lo e a tratá-lo como confidente e melhor amigo.

  • O homem que Ri
  • O homem que Ri
  • O homem que Ri

O homem que Ri

L’homme qui rit (França 2012). De Jean-Pierre Améris. Com Emmanuelle Seigner, Gérard Depardieu, Marc-André Grondin. Em cores/93’.

Sinopse

Sinopse

Ursus, um showman pitoresco, acolhe dois órfãos em sua caravana: Gwynplaine, um jovem com o rosto marcado por uma cicatriz que dá a impressão de estar permanentemente rindo, e Déa, uma menina cega.
  • Românticos Anônimos
  • Românticos Anônimos
  • Românticos Anônimos
  • Românticos Anônimos
  • Românticos Anônimos

Românticos Anônimos

Les Emotifs anonymes (Bélgica, França 2010). De Jean-Pierre Améris. Com Benoît Poelvoorde, Isabelle Carré, Jacques Boudet. Em cores/80’.

Sinopse

Sinopse


Jean-René, diretor de uma fábrica de chocolate, e Angélique, chocolateira talentosa, são dois grandes emotivos. É a paixão que têm pelo chocolate que os aproxima. Eles se apaixonam um pelo outro sem o precisar dizer...