Jacques Rivette



Participação nos filmes

36 Vistas do Monte Saint Loup

36 vues du Pic Saint Loup (França 2009). De Jacques Rivette. Em cores/84’.

Sinopse

Sinopse

Pouco antes de fazer uma digressão com o seu velho circo de província, o proprietário morre. Sem saber o que fazer, a companhia pede a Kate, a filha mais velha do falecido, para que regresse e tome as rédeas do negócio. Para satisfação de todos, ela decide aceitar o convite e, depois de 15 anos de ausência, regressar à vida circense. Com ela vem também Vittorio, um italiano apaixonado pelo Circo e pela vida na estrada. Com o passar do tempo vão-se criando laços e cumplicidades. Até ao dia em que a digressão chega ao seu fim e cada um deverá seguir o seu caminho. E agora?
A Bela Intrigante

A Bela Intrigante

La Belle Noiseuse (França 1991). De Jacques Rivette. Com Jane Birkin, Michel Piccoli. Em cores/238’.

Sinopse

Sinopse

Em sua casa no campo Edouard Frenhofer, um artista sexagenário, vive uma aposentadoria voluntária. No estúdio há uma pintura inacabada na qual Marianne, sua esposa, foi o modelo, encostada na parede como uma censura da paixão que morreu entre eles. O casamento não foi rompido, mas é uma relação de compreensão e não de desejo. Um dia um fotógrafo leva Liz, sua namorada, para conhecer Edouard e Marianne. Algo acontece, pois o artista decide retomar o trabalhado terminando uma pintura que está parada há 10 anos. A obra inacabada é "A Bela Intrigante", que foi inspirado em Catherine Lescault, uma cortesã do século XVII. Ele decide usar como modelo Liz, que acaba de conhecer, mas faz o convite através do namorado dela, que concorda sem consultá-la. Quando ela fica sabendo fica irritada, pois teve a sensação que venderam seu corpo. Além disto teria de posar nua, assim fala ao seu namorado que não irá. Entretanto no dia seguinte Liz vai até a casa do pintor e os dois começam a trabalhar. Tentando fazer um bela obra, ele coloca Liz em posições bastantes incômodas, um tratamento quase sádico em um processo criativo que parece interminável, fazendo Liz detestá-lo. Paralelamente o namorado da jovem passa a se sentir inseguro nesta situação e mesmo Marianne, que sabe que ele é um cavalheiro, não se sente totalmente à vontade nesta situação.

A História de Marie e Julie

Histoire de Marie et Julien (França 2003). De Jacques Rivette. Em cores/150’.

Sinopse

Sinopse

Julien é um relojoeiro frustrado de 40 anos, que está chantageando Madame X: ele sabe de coisas misteriosas que a envolvem no tráfico de objetos antigos, mas desconhece a ligação entre ela e a sublime Marie, por quem Julien havia se apaixonado perdidamente cerca de um ano antes. Tendo reencontrado a amada, ele percebe que algo mudou no seu comportamento: apesar do seu crescente amor por Julien, Marie parece incapaz de encontrar a sensação das coisas. Julien fará o que puder para ajudar Marie a se liberar desse estado.
A Religiosa

A Religiosa

La religieuse (França 1966). De Jacques Rivette. Com Anna Karina, Micheline Presle. Em cores/135’.

Sinopse

Sinopse


Na França do século XVIII uma menina (Suzanne Simonin) é forçada contra a sua vontade a tomar votos como freira. Três madres superiores (Madame de Moni, a irmã Sainte-Christine, e Madame de Chelles) a tratam de maneiras radicalmente diferentes, que vão da preocupação materna à perseguição sádica, ao desejo lésbico. A virtude de Suzanne traz desastre para todos nesta adaptação fiel de um ataque amargo sobre os abusos religiosos por parte do filósofo iluminista Denis Diderot.

  • Céline e Julie vão de barco
  • Céline e Julie vão de barco
  • Céline e Julie vão de barco
  • Céline e Julie vão de barco

Céline e Julie vão de barco

Celine et Julie Vont en Bateau (França 1974). De Jacques Rivette. Com Bulle Ogier. Em cores/193’.

Sinopse

Sinopse

Julie, sábia bibliotecária encontra Celine, uma mágica mentirosa que vai treiná-la em um mundo de aventuras. Celine conta a estranha história de uma menina criada em uma casa grande com um pai viúvo e suas duas amantes. Intrigada, Julie vai em busca dessa família estranha ...

Defesa Secreta

Secret Défense (França 1998). De Jacques Rivette. Em cores/170’.

Sinopse

Sinopse

Uma mulher surpreende seu irmão mais velho procurando uma arma num laboratório. Ele diz ter descoberto que o pai deles fora assassinado. À procura de vingança, ele vai atrás do ex-sócio do pai, um empresário que agora o substitui nos negócios. Ele descobre também que sua mãe tenha tido um caso com o suspeito. Defesa Secreta desenvolve-se então em dois planos: como um thriller de suspense e como uma adaptação moderna do mito grego de Electra.
Divertimento

Divertimento

La Belle Noiseuse - Divertimento (França 1992). De Jacques Rivette. Com Jane Birkin, Michel Piccoli. Em cores/130’.

Sinopse

Sinopse

Montagem televisão, versão curta do A Bela Intrigante.
  • Duelle
  • Duelle
  • Duelle

Duelle

(França 1976). De Jacques Rivette. Com Bulle Ogier, Nicole Garcia. Em cores/121’.

Sinopse

Sinopse

Duas feiticeiras imortais, Leni e Viva, competem em Paris. Uma teme a noite,  outra a luz. Ambas cobiçam um anel que lhes permitirá permanecer na Terra, que está nas mãos de mortais.
Hurlevent

Hurlevent

(França 1986). De Jacques Rivette. Em cores/130’.

Sinopse

Sinopse

Um drama cuja trama é tecida através dos sentimentos da vida: ódio, amor, vingança e vícios. Apesar de apaixonada por Roch, uma criança uma vez por abandonada seus pais, Catherine se casou com Olivier. Roch, cujo ódio permaneceu tão forte quanto o seu amor por Catherine, decidiu se vingar do irmão desta última, que sempre odiou, e de Olivier, seu rival, induzindo o primeiro ao alcoolismo e seduzindo a irmã mais nova do segundo, resultando em um confronto sangrento. Seu sonho de infância está quebrado, Catherine vai morrer.
Jean Renoir, O Mestre - A direção de atores

Jean Renoir, O Mestre - A direção de atores

Jean Renoir le patron, la direction d'acteurs (França 1967). De Jacques Rivette. Em preto e branco/97’.

Sinopse

Sinopse

Às margens do Marne, em 1966, Jean Renoir e Michel Simon discutem a direção dos atores. Brincadeiras, piadas, canções e lembranças fundem-se em um clima de final de refeição, ao mesmo tempo, alegre, suave e nostálgico. Perante o olho cúmplice de Jacques Rivette, uma evocação emocionante dos filmes que fizeram juntos de 1928 a 1940.