Hippolyte Girardot

Hippolyte Girardot

Biografia

Hippolyte Girardot era uma criança solitária que parecia destinada à carreira de desenhista. Sonhava em trabalhar como diretor artístico no cinema e por essa razão apresentou-se e foi aprovado no concurso de “Arts Déco”. Para um laboratório de cinema em “Arts Déco” aceitou a proposta de dirigir uma série de curtas com adolescentes moradores do subúrbio. Atuou pela primeira vez no cinema como filho de Claude Rich no “La Femme de Jean” de Yannick Bellon, uma amiga de sua mãe, mas ainda não ambicionava seguir a carreira de ator, tendo em seguida vários pequenos empregos diferentes. <br> <br>Hippolyte Girardot começou a tomar gosto pela atuação durante as filmagens do “Destin de Juliette” (1983) de Aline Issermann, uma cineasta com quem voltou a trabalhar em “L'Amant magnifique”. Foi indicado ao César de Melhor Revelação em 1985 por seu trabalho em “Le Bon Plaisir” e, enquanto jovem iniciante de destaque, chamado para filmar com Godard (“Carmen de Godard”) e participar de vários projetos de grande porte, principalmente “Forte Saganne” e “A Vingança de Manon”, interpretando nesse último um professor apaixonado por Emmanuelle Béart. A consagração chegou em 1989 com “Um Mundo Sem Piedade”, que é uma análise sem ilusões dirigida por Eric Rochant: uma geração inteira se reconheceu no personagem Hippo, indolente, irônico e adorável. <br> <br>No ano seguinte um novo papel marcante lhe foi oferecido: o de um fotógrafo sequestrado no Líbano em “Hors la vie” de Maroun Bagdadi. Apesar de seguir interpretando papéis de homens sedutores, com um quê de misteriosos, como em “Depois do Amor” e “Le Parfum d'Yvonne”, foi começando cada vez mais a atuar em comédias: um louco-manso em “Confessions d'un barjo” e um jovem desempregado em “Viva a República” (1997), de Rochant, cúmplice de longa data. <br> <br>Após alguns anos de ausência, sua volta com “O Tango de Rashevski” em 2003 não passou desapercebida. Acolhido na família Desplechin, interpretou um temível homem de negócios em “En jouant 'Dans la compagnie des hommes'”, um advogado desonesto e toxicômano em “Reis e Rainha” (2004) e o marido de Anne Consigny em “Um Conto de Natal”. Ator novamente bastante requisitado, começou a ser chamado por outros cineastas conceituados, como Pascal Bonitzer e Pascale Ferran (“Lady Chatterley”) e pôde ser visto nos créditos de mais de seis filmes no ano de 2006. Interpretou um médico suspeito em “Le Crime est notre affaire” e realizou grande quantidade de projetos diferentes: alter ego de Jérôme Clément em “Mais Tarde, Você Vai Entender”, de Amos Gitaï, parceiro de Nanni Moretti em “Caos Calmo”, atrás das câmeras em “Yuki e Nina”, co-dirigido por Nobuhiro Suwa (uma obra delicada sobre a infância, apresentada na “Quinzaine des Réalisateurs” em 2009).




Participação nos filmes

  • Lady Chatterley
  • Lady Chatterley
  • Lady Chatterley
  • Lady Chatterley
  • Lady Chatterley

Lady Chatterley

(França 2007). De Pascale Ferran. Com Bernard Verley, Hélène Fillières, Hippolyte Girardot, Jean-Baptiste Maunier. Em cores/158’.

Sinopse

Sinopse


Em 1921, Constance vive numa propriedade rural com o marido, Clifford Chatterley, tenente condenado a uma cadeira de rodas por causa da Primeira Grande Guerra. Ela amarga uma vida monótona, presa à obrigação com o casamento. Um dia, durante um passeio na floresta, conhece Parkin, o guarda-caça (cuja função é evitar os caçadores furtivos) da propriedade. A atração entre os dois desperta nela um desejo nunca antes experimentado.
Baseado no romance de D.H. Lawrence.
* Exibido em Berlim 2007;
* Vencedor de 5 Césars: Melhor Filme, Melhor Atriz, Melhor Fotografia, Melhor Figurino, e Melhor Roteiro Adaptado. *

  • Le Pressentiment
  • Le Pressentiment
  • Le Pressentiment
  • Le Pressentiment

Le Pressentiment

(França 2005). Com Alain Libolt, Aristide Demonic, Hippolyte Girardot, Jean-Pierre Darroussin. Em cores/100’.

Sinopse

Sinopse

De Jean-Pierre Darroussin


Charles Benesteau rompe com a alta burguesia à qual pertence. Ele deixa mulher, família e amigos para viver solitário e anônimo num bairro popular de Paris. Contudo, a vontade de ser um outro homem logo esbarra em novas intrigas...

  • Mais tarde você entenderá
  • Mais tarde você entenderá
  • Mais tarde você entenderá

Mais tarde você entenderá

Plus tard tu comprendras (França 2007). De Amos Gitai. Com Dominique Blanc, Emmanuelle Devos, Hippolyte Girardot, Jeanne Moreau. Em cores/89’.

Sinopse

Sinopse


Rivka nunca contou a seu filho Victor, um advogado bem-sucedido, sobre a deportação dos pais dela, judeus russos que foram perseguidos na época da Segunda Guerra. Por mais que pergunte, ele não consegue respostas diretas de sua mãe idosa. Batizados na religião católica como o pai, Victor e sua irmã Tania nada sabem sobre o passado de guerra da mãe. Tentando juntar os pedaços perdidos da história de sua família, Victor viaja com sua esposa e filhos para o minúsculo vilarejo onde seus avós foram obrigados a se esconder durante a guerra.


  • Mãos ao Alto
  • Mãos ao Alto
  • Mãos ao Alto
  • Mãos ao Alto
  • Mãos ao Alto

Mãos ao Alto

Les Mains en l'air (França 2009). De Romain Goupil. Com Hippolyte Girardot, Valeria Bruni Tedeschi. Em cores/88’.

Sinopse

Sinopse


Milana se lembra do ano de 2009, quando era aluna primária, em Paris. Depois da expulsão de Youssef, sem visto de permanência, é a vez de Milana, de origem chechena, ser ameaçada. Seus amigos resolvem reagir: eles prometem permanecer sempre juntos e organizam um complô para salvá-la...

  • O Bigode
  • O Bigode
  • O Bigode
  • O Bigode
  • O Bigode

O Bigode

La Moustache (França 2005). De Emmanuel Carrère. Com Cylia Malki, Emmanuelle Devos, Hippolyte Girardot, Mathieu Amalric, Vincent Lindon. Em cores/86’.

Sinopse

Sinopse


Num dia qualquer, Marc decide tirar o bigode que é sua marca registrada há anos. Quando Agnès, sua mulher, volta das compras, não percebe nada de diferente. Quando ele pergunta a Agnès sobre a retirada do bigode, ela responde: "Você nunca teve bigode". O mesmo acontece com os amigos e com os colegas de trabalho: ninguém repara na mudança. O que seria isso? Será que Marc está ficando louco? Um simples bigode será motivo de um questionamento sobre a própria existência e sobre os mecanismos do universo.
Baseado no livro homônimo escrito pelo próprio diretor.
* Participou da Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes de 2005.

  • O Tango de Rashevski
  • O Tango de Rashevski
  • O Tango de Rashevski
  • O Tango de Rashevski
  • O Tango de Rashevski

O Tango de Rashevski

Le Tango des Rashevski (Bélgica, França 2003). Com Hippolyte Girardot, Jonathan Zaccai, Ludmila Michael. Em cores/100’.

Sinopse

Sinopse


Matriarca de família de judeus novos da Bélgica falece e, com ela, morrem suas tradições. Perdidos dentro dos rituais judaicos, que desconhecem, os Rashevski se vêem em uma luta para definir sua religião e sua união. O surgimento de uma família não-judia no enterro complica as coisas, enquanto romances florescem e segredos do passado são desenterrados.

  • Os Sabores do Palácio
  • Os Sabores do Palácio
  • Os Sabores do Palácio

Os Sabores do Palácio

Les Saveurs du Palais (França 2012). De Christian Vincent. Com Arthur Dupont, Catherine Frot, Hippolyte Girardot. Em cores/95’.

Sinopse

Sinopse

A respeitada chef Hortense Laborie se assusta quando é escolhida pelo presidente para trabalhar no Palácio de Eliseu. Em princípio, Hortense é invejada e mal-vista pelos outros cozinheiros do palácio, porém, ela consegue contornar a situação com a sua personalidade forte. A autenticidade de seus pratos logo seduz o presidente, mas os bastidores do poder estarão repletos de armadilhas. Baseado na história real da cozinheira do presidente François Mitterand, o filme teve a ajuda técnica de famosos chefs franceses, como Guy Legay, do Hotel Ritz de Paris.
  • Reis e Rainha
  • Reis e Rainha
  • Reis e Rainha
  • Reis e Rainha
  • Reis e Rainha

Reis e Rainha

Rois et reine (França 2004). De Arnaud Desplechin. Com Catherine Deneuve, Emmanuelle Devos, Hippolyte Girardot, Jean-Paul Roussilon, Mathieu Amalric, Maurice Garrel, Nathalie Boutefeu. Em cores/150’.

Sinopse

Sinopse


Nora e Ismael são ex-amantes com vidas bem diferentes. Enquanto ela é diretora de uma bem-sucedida galeria de arte, às vésperas de seu terceiro casamento, ele é talentoso violinista prestes a ser internado em um hospital psiquiátrico. Quando Nora descobre que o pai está com câncer, decide pedir ajuda a Ismael, que tenta de todas as formas escapar da internação.
* Selecionado para a competição oficial do Festival de Veneza de 2004, o filme rendeu a Mathieu Amalric o prêmio César de Melhor Ator em 2005.

  • Vento do Norte
  • Vento do Norte
  • Vento do Norte

Vento do Norte

Vent du Nord (Bélgica, França, Tunísia 2017). De Walid Mattar. Com Hippolyte Girardot, Philippe Rebbot. Em cores/89’. Classificação etária Livre.

Sinopse

Sinopse

Norte da França. A fábrica de Hervé é realocada. Ele é o único trabalhador a resignar-se a si mesmo porque persegue outro destino: tornar-se pescador e transmitir essa paixão a seu filho. Subúrbio de Tunis. A fábrica é realocada. Foued, desempregado, acha que há uma maneira de curar sua mãe e seduzir a garota que ama. As trajetórias de Hervé e Foued são semelhantes e respondem uma à outra.

Yuki & Nina

(França 2009). De Hippolyte Girardot, Nobuhiro Suwa. Em cores/92’.

Sinopse

Sinopse

Yuki, uma menina de nove anos, descobre que os pais estão se separando. O pai é francês e a mãe, japonesa. Ela terá que ir para o Japão com a mãe, deixando tudo para trás em Paris, incluindo a melhor amiga, Nina. Juntas, elas bolam planos para que os pais voltem a ficar juntos. No fim, fugir parece ser a única solução – e a floresta será o novo destino das meninas.