Arnaud Desplechin

(1960)

Biografia

Nasceu em Roubaix, na França, em 1960. Um dos principais cineastas franceses da atualidade, iniciou a carreira dirigindo o média-metragem La vie des morts (1991). Seus três primeiros longas, A sentinela, minha vida sexual (1996) e Esther Kahn (2000) participaram da competição oficial em Cannes. Antes deste que é seu quinto longa, dirigiu Encenando “Na companhia de homens” (2004).




Participação nos filmes

A Amada

A Amada

L'Aimée (França 2007). De Arnaud Desplechin. Em cores/70’.

Sinopse

Sinopse

O cineasta francês Arnaud Desplechin faz um registro documental de seu pai, que acabou de vender a casa onde viveu desde os 21 anos. Fica na cidade de Roubaix, que aqui também é visitada pela última vez. O esvaziamento da residência é ocasião para abrir gavetas, trazer à luz velhas fotos e ler correspondências antigas. O pai, cercado por filhos e netos, aproveita o momento para falar da própria mãe, Thérèse, que morreu quando ele tinha apenas um ano e meio de vida. Robert Desplechin não tem qualquer lembrança dela, mas parece conhecê-la muito bem.

O filme ganhou o prêmio Doc/it - Província Autônoma de Trento, no festival de Veneza de 2007.

  • A Sentinela
  • A Sentinela
  • A Sentinela

A Sentinela

La Sentinelle (França 1992). De Arnaud Desplechin. Com Bruno Todeschini, Emmanuel Salinger, Emmanuelle Devos, Marianne Denicourt, Valérie Dréville. Em cores/140’. Classificação etária 10 anos.

Sinopse

Sinopse


Mathias Barillet tem vinte e cinco anos. Ele é filho de diplomata e segue o curso de medicina legal. Mathias mora na Alemanha, onde servia seu pai, mas ele decidiu mudar-se para Paris. No trem que o leva de volta à pátria, quando há o controle alfandegário, um homem o ameaça, o cobre de injúrias e desaparece em seguida. Confuso, ele descobre no dia seguinte, na sua bagagem, uma cabeça humana encolhida, à moda dos índios Jivaros. Fascinado, ele se sente responsável pelo fragmento de resto humano. A quem pertenceria? Quem o confiou a ele? E por quê? Com essa busca segue a procura paralela por uma vida própria.


  • Catherine Deneuve, bela e bem aqui
  • Catherine Deneuve, bela e bem aqui
  • Catherine Deneuve, bela e bem aqui

Catherine Deneuve, bela e bem aqui

Catherine Deneuve, belle et bien la (França 2009). De Anne Andreu. Com André Techiné, Arnaud Desplechin, Catherine Deneuve, Gérard Depardieu. Em cores/51’.

Sinopse

Sinopse

Catherine Deneuve zomba da fama, mas faz muito tempo que a glória faz dela um ícone que ocupa o nosso imaginário. A estrela não deixa que se aproximem facilmente, mas quando se ganha a sua confiança, ela desata a falar. Se a carreira de Catherine Deneuve narra meio século de cinema, ela testemunha também a força de uma geração que conheceu as mais fortes transformações do mundo.

Comment je me suis disputé ma vie sexuelle

(França 1996). De Arnaud Desplechin. Com Emmanuelle Devos, Mathieu Amalric. Em preto e branco/178’.

Sinopse

Sinopse

Les histoires d'amour et les histoires tout court de Paul, maître-assistant dans une faculté de la périphérie parisienne où il ne compte pas faire de vieux os.
  • Os fantasmas de Ismael
  • Os fantasmas de Ismael
  • Os fantasmas de Ismael
  • Os fantasmas de Ismael

Os fantasmas de Ismael

Les fantomes d’Ismaël (França 2017). De Arnaud Desplechin. Com Charlotte Gainsbourg, Marion Cotillard, Mathieu Amalric. Em cores/117’.

Sinopse

Sinopse

Ismael e Sylvia levam juntos uma vida tranquila. Mas, enquanto ele se prepara para o início das filmagens do seu novo filme, sua vida sai fora de controle com a volta de sua esposa Carlotta, desaparecida há 20 anos.
  • Reis e Rainha
  • Reis e Rainha
  • Reis e Rainha
  • Reis e Rainha
  • Reis e Rainha

Reis e Rainha

Rois et reine (França 2004). De Arnaud Desplechin. Com Catherine Deneuve, Emmanuelle Devos, Hippolyte Girardot, Jean-Paul Roussilon, Mathieu Amalric, Maurice Garrel, Nathalie Boutefeu. Em cores/150’.

Sinopse

Sinopse


Nora e Ismael são ex-amantes com vidas bem diferentes. Enquanto ela é diretora de uma bem-sucedida galeria de arte, às vésperas de seu terceiro casamento, ele é talentoso violinista prestes a ser internado em um hospital psiquiátrico. Quando Nora descobre que o pai está com câncer, decide pedir ajuda a Ismael, que tenta de todas as formas escapar da internação.
* Selecionado para a competição oficial do Festival de Veneza de 2004, o filme rendeu a Mathieu Amalric o prêmio César de Melhor Ator em 2005.

  • Um Conto de Natal
  • Um Conto de Natal
  • Um Conto de Natal
  • Um Conto de Natal
  • Um Conto de Natal

Um Conto de Natal

Un conte de Noël (França 2008). De Arnaud Desplechin. Com Catherine Deneuve, Chiara Mastroianni, Emmanuelle Devos, Jean-Paul Roussilon, Mathieu Amalric. Em cores/143’.

Sinopse

Sinopse


Há muitos anos, Abel e Junon perderam o pequeno Joseph. A tragédia marcou a vida de seus outros dois filhos, Elizabeth e Henry. Hoje, Elizabeth é uma dramaturga reclusa, Henry é desregrado e alcoólatra, e eles não se falam. Quando Junon descobre que precisa de um transplante de medula, toda a família faz testes e os únicos doadores compatíveis revelam-se Henry e o filho de Elizabeth. No dia de Natal, todos se reúnem e decisões difíceis devem ser tomadas. Mas antes a família precisa resolver questões mais antigas.
* Prêmio Especial no Festival de Cannes 2008 *.