Coprodução

entre a França e o Brasil

 

A coprodução com a França

A França ama o cinema e todos os cinemas. Em 2014, 663 filmes de 46 países diferentes foram lançados nas salas francesas, sendo que 57% deles são considerados filmes de arte. Assim, esses filmes podem contar com a difusão em um parque exibidor com 5653 telas e em cerca de 590 festivais. Milhares de técnicos qualificados franceses trabalharam em 258 filmes e em 4.828 horas de programas de televisão. A animação francesa é consideralvelmente conhecida ao redor do mundo, produziu 260 horas de programas e 29 longas-metragem foram lançados em 2014.

As coproduções são parte do DNA do cinema francês. Durante várias décadas, os mecanismos do CNC têm apoiado os autores de todas as origens. A França possui ferramentas de incentivo público muito eficientes gerenciadas pelo Centro Nacional de Cinema e da Imagem em Movimento (CNC). Na França, há uma distinção histórica entre filmes para o cinema e obras audiovisuais, resultado dos mecanismos de incentivo.

No que se refere ao audiovisual, a coprodução é menos regulamentada mesmo que na França exista vontade política em defesa do desenvolvimento de acordos bilaterais.

Os filmes e obras audiovisuais coproduzidos pela França possuem reputação de qualidade nos mercados internacionais. Os que comercializam o cinema e o audiovisual francês são em sua grande maioria bastante experientes na prática de coprodução e na cadeia de distribuição:

  • Por beneficiarem-se do intercambio de conhecimentos técnicos e artísticos
  • Por beneficiarem-se de mecanismos estrangeiros de incentivo público (complementares aos brasileiros em alguns casos)
  • Por beneficiarem-se do acesso ao mercado internacional o que facilita uma coprodução
  • Por dividir os riscos (de financiamento e orçamento)

O que é que a França tem a oferecer?

  • Bons profissionais: A França possui profissionais do audiovisual em quantidade e com boa formação. O perfil de cerca de 24.000 técnicos pode ser encontrado na plataforma online Film France. É possível contar com uma rede especialmente desenvolvida de produtores independentes atuantes no cinema, como também no audiovisual agrupados em associações trabalhistas como a SPI, USPA, SPFA ou APC (contatos: http://www.cnc.fr/web/fr/organismes-professionnels)
  • Uma geografia diferente: A França possui sem sombra de dúvida uma área 12 vezes menor que a do Brasil, no entanto, existe uma incrível diversidade de lugares e paisagens entre as belas ruas de Paris, os milhares de vilarejos tradicionais, as falésias da Normandia, passando pela Côte d'Azur, pela Duna de Pyla, pelas praias da Martinica, pelos vulcões de Auvergne ou ainda pelos grandiosos Alpes. Mais de 20 000 locações em potencial e 41 film commissions ao redor de toda a França estão catalogadas plataforma online Film France.
  • Um mercado atraente: A França é um mercado com elevado poder de compra, são 65 milhões de pessoas e que é bastante influente em termos de cinema e de audiovisual.
  • Uma diversidade de mecanismos de financiamento público: os mecanismos disponíveis através do CNC e das regiões francesas são o resultado de uma longa experiência e se adequam a cada fase da produção de um filme ou de um programa de TV, do desenvolvimento de um projeto à pós-produção.
  • Um mercado do curta-metragem: A França é um dos únicos países em que existem obrigações de difusão que envolvam o curta-metragem.
  • Estúdios de animação reconhecidos no mercado internacional.
  • Uma rede de associações de produção transmidia: Conhecidas mundialmente.

O acordo de coprodução França-Brasil (cinema)

A coprodução no campo do cinema dispõe de 55 acordos bilaterais, e gera cerca de 110 filmes por ano, o que corresponde a 40% do total da produção anual francesa de filmes. Dentro dessas coproduções, em media cada ano, tem a mesma proporção de filmes maioritariamente franceses que minoritariamente franceses.

O acordo entre a França e o Brasil foi assinado em 6 de fevereiro de 1969 e foi renovado duas vezes, no dia 14 de outubro de 1985 e no dia 18 de maio 2010.

Cabe lembrar que, por ter dupla nacionalidade adquirida, um filme coproduzido pode ter acesso aos sistemas de apoio nos dois países. O novo acordo de coprodução franco-brasileiro assinado em 2005 permite que um filme obtenha a dupla nacionalidade, brasileira e francesa, com uma participação minoritária (financeira e artística) de pelo menos 20%.

  • Do lado francês as vantagens são as seguintes:
    acesso ao fundo de apoio automático destinado ao produtor (percentual em função do número de pontos obtidos na grade da tabela financeira);
    acesso ao fundo de apoio destinado ao distribuidor;
    acesso às quotas de difusão das emissoras de televisão europeias, ou seja, se um filme brasileiro figura no acordo de coprodução, o conjunto dos pontos brasileiros se torna europeu;
  • Do lado brasileiro as vantagens são as seguintes:
    acesso às leis de incentivo fiscal (lei do audiovisual e lei Rouanet);
    acesso às quotas de filmes brasileiros no circuito comercial nacional;
    acesso às quotas de difusão das emissoras de televisão por assinatura brasileiras, ou seja, se um filme francês figura no acordo de coprodução, se torna considerado como um filme brasileiro;

A repartição entre as produções majoritárias francesas e brasileiras está a favor dos filmes de iniciativa brasileira. Quase todas as colaborações têm sua origem no Brasil. Essa desproporção se explica facilmente pela diferença dos orçamentos médios entre os dois países.

Vários filmes são feitos em colaboração, fora da coprodução oficial (Carnet de voyages de Walter salles, La Cité de Dieu de Fernando Meirelles, Rio ligne 174 de Bruno Barreto por exemplo).

A coprodução audiovisual entre a França – Brasil

Varias coproduções audiovisuais já existem entre a França e o Brasil. Hoje a principal dificuldade para coproduzir com a França é satisfazer as condições de aprovação das coproduções pelo CNC na França e pela Ancine no Brasil. Obter uma dupla nacionalidade é possível, mas sem que seja enquadrado por um acordo de coprodução. Até hoje, a França assinou somente um acordo de coprodução audiovisual com o Canada e a disponibilização de um fundo de desenvolvimento de séries audiovisuais com Alemanha.

Aqui abaixo na tabela ficam as exigências do CNC e da Ancine.

AncineCNC
O produtor brasileiro deve possuir ao menos 40% dos direitos do projeto. O produtor francês deve possuir ao menos 30% do orçamento do projeto.
2/3 dos artistas e dos técnicos devem ser brasileiros ou morar no Brasil por mais de 3 anos. A tabela europeia impõe uma maioridade de artistas e técnicos com nacionalidades europeias.
A língua do projeto não tem que ser necessariamente brasileira

Aide aux cinémas du monde (ex-Fonds Sud Cinéma) (cinema)

Criado em 2012, a Aide aux cinémas du monde é uma ajuda seletiva dedicada aos diretores estrangeiros. Este fundo diz respeito aos projetos de filmes de ficção, animação ou documentários de criação destinados à exibição em salas comerciais na França e no exterior. A meta é de incentivar coproduções internacionais que promovem a diversidade cultural.

Este fundo é dividido em 2 subsídios, um subsidio de “pre-gravação” que vai até 250 000 Euros, recebido pelas produtoras francesas para cobrir os custos de produção e pós-produção. Os projetos candidatos que não receberam o subsídio de “pre-gravação” podem concorrer durante a edição do filme ao subsidio de “pós-gravação” que vai até 50.000 Euros.

Os projetos estão selecionados por um comité de professionais que se encontram 4 vezes por ano. Esse comité atua em 2 subcomitês (colégios):

  • o primeiro é dedicado aos primeiros e segundos longas-metragens
  • o segundo é dedicado aos diretores com mais experiência

Condições: Os critérios são a qualidade artística e a propensão a apresentar pontos de vistas originais. O contexto econômico do país onde será gravado o filme é também levado em consideração. Cerca de 50 projetos são apoiados por ano. Lembramos que o subsidio pode ser recebido somente pelo coprodutor francês.

Subsidio às novas tecnológias (cinema e TV)

Este fundo é uma ajuda seletiva dedicada à redução do risco que representa a produção de um projeto de longa-metragem ou de um programa de televisão usando novas tecnologias (3D, efeitos visuais digitais, computação gráfica). Este fundo é accessível para qualquer tipo (ficção, documentário, animação), formato (produção, longa-metragem, programa de TV) e “dimensão” (3D ou não). O subsidio deve ser recebido pela produtora francesa.

23 longas-metragens receberam um subsidio “Aide aux nouvelles Technologies” em 2014 com um valor médio de 185 000 Euros por 3D filmes e 137 000 Euros por não-3D filmes. O fundo foi provisionado com 6 milhões de euros pelo ano 2015.

Condições: O filme deve ter a aprovação do CNC. Nenhuma cena deve ser gravada durante o processo de candidatura. O subsidio não pode cobri mais de 50% dos gastos de produção na França, mas pode cobrir a totalidade dos gastos em tecnologias digitais inovadoras. Lembramos que o subsidio pode ser recebido somente pelo coprodutor francês.

Os Mini-Traités

O Mini-Traité Franco-Alemão

As coproduções franco-alemães promovendo intercâmbios entre os dos países podem candidatar à obtenção de um subsidio que representa ao máximo 20% do custo final do filme. O subsidio é dividido entre o produtor francês e o produtor alemão seguindo as participações respectivas no orçamento. Em 2014, com 1,5 milhão de Euros disponibilizado, 11 projetos foram subsidiados.

Os Mini-Traités Franco-Canadense

  • Mini-traité de Produção cinematográfica
    As Coproduções franco-canadenses promovendo intercâmbios entre os dos países podem candidatar à obtenção de um subsidio reembolsável nos frutos da exploração da obra só. O valor do subsidio não pode ultrapassar 20% do valor da participação francesa e tem um teto de 381 100 Euros.
  • Mini-traité de produção de programa de TV de animação
    As coproduções de programa audiovisual de animação franco-canadense, podem candidatar à obtenção de uma ajuda à produção no âmbito do Mini-Traité.
  • Mini-traité de desenvolvimento de programa de TV
    As coproduções de programa audiovisual de documentário franco-canadense, podem candidatar à obtenção de uma ajuda ao desenvolvimento no âmbito do Mini-Traité.

O Mini-Traité Franco-Italiano

As Coproduções franco-canadenses promovendo intercâmbios entre os dos países podem candidatar à obtenção de um subsidio dedicado ao desenvolvimento de projetos de filmes de cinema. As participações financeiras respectivas de cada coprodutor podem representar entre 20% e 80%. O subsidio não pode exceder 50 000 Euros, nem 70% das despesas alocadas ao desenvolvimento do projeto (roteiro, desenvolvimento gráfico, busca de locações, aquisição de direitos, documentação, tradução). Em 2014, com 250 000 Euros disponibilizados, 14 projetos foram subsidiados.

As parcerias Franco-Portuguesa e Franco-Grega (cinema)

Existem dois fundos dedicados à estimulação do intercâmbio culturais no campo dos filmes de cinema (curtas e longas). Em 2014, com 800 000 Euros disponibilizados para cada pais, 6 projetos foram subsidiados com a Grecia e 5 com o Portugal.

O acordo de coprodução audiovisual Franco-Canadense

O único exemplo de acordo de coprodução audiovisual assinado pela França é um acordo bilateral com o Canada. O coprodutor minoritário (que seja francês ou Canadense) tem que investir ao menos 20% do orçamento total. Ao menos 20% do orçamento tem que ser gastado no território francês. Os funcionários canadenses são considerados como franceses para acessa à qualificação europeia do programa de televisão.

Os fundos de ajuda Franco-Alemão

O FFA e o CNC decidiram da criação de um fundo de ajuda dedicada ao desenvolvimento de projetos de coprodução Franco-Alemão que emanam de produtoras novas trabalhando na sua primeira ou segunda coprodução. Este fundo será dotado de 200 000 Euros por ano. Do outro lado, o dia 18 de maio passado no Festival de Cannes 2015, o CNC assinou um acordo com MFG Baden-Württemberg,o Filmstiftung Nordrhein-Westfalen, o FFF Bayern e o Medienboard Berlin-Brandenburg pela criação do fundo de ajuda Franco-Alemão ao co-desenvolvimento de séries audiovisuais. Este Fundo vai permitir o apoio a fase de desenvolvimento dos projetos de séries audiovisuais. A filosofia sendo criar um ecossistema pela criação de séries europeias de alta qualidade.

Gravar e criar na França sem coproduzir com o “Incentivo fiscal pela produção internacional” (cinema e TV)

O “Crédit d’Impôt International” (C2I) é um incentivo fiscal destinado a obras cuja produção (cinema e programa de TV) é iniciada por uma empresa estrangeira e cuja totalidade ou parte da produção é realizada na França. Desfrutar essa ajuda impede se torna uma coprodução Franco-Brasileira oficial. Segundo a mesma lógica, desfrutar o Incentivo fiscal pela produção internacional impede então obter outros subsídios públicos franceses.

Condições: o projeto deve provar despesas elegíveis de um milhão de Euros ao mínimo na França. As obras devem incluir elementos ligados à cultura, ao patrimônio e ao território franceses. A redução de imposto é concedida num processo seletivo pelo CNC à empresa francesa que realiza a produção executiva (line producer) da obra. A redução de imposto é equivalente a 30% das despesas do filme na França – existem despesas elegíveis para calcular o orçamento – e, pode chegar até um valor de crédito máximo por projeto de 30 milhões de euros.

Contatos

  • Aide aux cinémas du monde - CNC
    Magalie Armand
    Magalie.armand@cnc.fr
    +33 144 343 882

    Saâd Ramdane
    saad.ramdane@cnc.fr
    +33 144 343 880

    Chrystelle Gerrero
    chrystelle.guerrero@cnc.fr
    +33 1 44 34 34 29
  • Aide aux cinémas du monde - Institut français
    Nathalie Streiff
    Nathalie.streiff@institutfrancais.com
    + 33 153 693 979
  • Aprovações das coproduções - CNC
    Michel Plazanet
    Michel.plazanet@cnc.fr
    +33 144 343 711

    Emmanuelle Deprats
    Emmanuelle.deprats@cnc.fr
    +33 144 343 688
  • Subsidio às novas tecnológias em produção & Incentivo fiscal internacional - CNC
    Baptiste Heynemann
    Baptiste.heynemann@cnc.fr
    +33 144 343 534
    Magali Jammet
    Magali.jammet@cnc.fr
    +33 144 343 617
  • Incentivo fiscal internacional - Film France
    Mélanie Chebance
    rebate@filmfrance.net
    +33 153 839 898

FONTES E RECURSOS

 

Delegação francesa no rio content market 2016